“Sapinho” em bebês

Por Dra. Marilia Vanzelli

Hoje vamos falar sobre a monilíase ou sapinho, uma doença muito comum em recém-nascidos e na infância, de uma maneira geral. A monilíase é causada por um fungo (Candida albicans) que, quando afeta bebês, atrapalha consideravelmente o processo de alimentação e amamentação, o que pode prejudicar uma das fases de desenvolvimento mais importantes da vida da criança.

Leia também

Meu filho pode usar chupeta?

A lesão da monilíase caracteriza-se como placas esbranquiçadas, cuja remoção é bem fácil, porém provoca sangramento e aspecto de ferida na região onde é removida. Ela é de fácil contaminação, sendo portanto transmissível pelo contato direto, via saliva, uso de utensílios domésticos, pelo beijo, e até pela vagina da mãe para a orofaringe do recém-nascido no momento do parto normal. Além da região bucal, a lesão pode afetar a pele e o trato gastrointestinal, vaginal e urinário, podendo até ser fatal em casos mais raros e extremos.

Quando a mãe estiver amamentando um bebê com lesão de candidíase, o consumo de açúcar deve ser reduzido significativamente, ou até eliminado por completo, pois o fungo tende a se proliferar na presença do alimento. Aconselha-se também a redução ou eliminação do consumo de gorduras. Os hábitos de higiene devem ser extremamente minuciosos, tomando as precauções de lavar adequadamente as mamadeiras e chupetas, e no caso do lactente, manter os seios maternos sempre limpos.

A medicação deve ser aplicada tanto na cavidade bucal do bebê como no seio da mãe, sendo administrado um antifúngico do tipo miconazol ou nistatina (consulte sempre o seu médico/dentista antes de utilizar qualquer medicação no seu bebê!), lembrando que a persistência dessa lesão pode ser um dos primeiros sinais bucais de contaminação pelo vírus do HIV.

Anúncios