Gravidez: Mitos e Verdades

Por Franciane Crisol

Olá mamães! Basta a mulher anunciar a gravidez para surgirem os palpites e superstições que envolvem a gestação. A verdade é que a maioria das pessoas tem um comentário ou uma experiência para dividir com as futuras mamães, mas afinal, no que podemos acreditar?

No post de hoje irei abordar alguns mitos e verdades sobre a gravidez.

Durante os nove meses de gestação, a mulher passa por diversas mudanças físicas e, principalmente, hormonais. O feto começa a crescer no interior do útero materno alterando e evidenciando a silhueta da gestante. As mamas aumentam de volume e podem ficar doloridas.

Todas essas modificações irão ocorrer devido a uma grande descarga hormonal que prepara o corpo da futura mãe para abrigar o feto. A medida que o bebê vai crescendo, essas taxas hormonais vão se elevando no organismo da mulher. Esses hormônios influenciam nas emoções e sentimentos da gestante, tornando-a mais suscetível e emotiva. E bem nessa fase onde ocorre esse redemoinho emotivo, a mulher irá receber diversos conselhos, dos mais estranhos aos mais sérios.

Alguns vão dizer que ¨barriga pontuda é sinal de que é menino¨, outros que se os desejos da grávida não são atendidos, o filho vai nascer com a marca do que foi desejado, ou ainda, “que grávida precisa comer por dois” e assim vai…

Vamos conferir o quais são mitos e quais são verdades:

Mulher grávida não pode fazer sexo.

Depende. Se a gestante apresentar placenta de inserção baixa ou sangramento via vaginal, os obstetras a proíbem de manter relação sexual durante a gravidez, pois a prática pode estimular mais o sangramento e contração do útero. Caso contrário, o sexo na gestação está liberado.

O feto consegue sentir quando ocorre relação sexual entre o casal.

Mito. O feto está dentro do útero e não no canal da vagina, onde ocorre a penetração.

O formato da barriga diz qual o sexo do bebê.

Mito. Não existe nenhuma influência do sexo do bebê no formato da barriga. A barriga da mãe irá crescer conforme a anatomia e genética da gestante.

Se a gestante tiver muita azia, significa que o bebê será cabeludo.

Mito. A azia no 1° trimestre da gestação é decorrente do aumento do hormônio BHCG. Azia da metade da gestação em diante também pode ocorrer, pois o útero pressiona o estômago causando o refluxo do suco gástrico e as altas taxas do hormônio progesterona causam o aumento do tempo do esvaziamento gástrico, deixando a digestão mais lenta. O que vai decidir se o bebê será cabeludo é a genética.

Mulher grávida precisa comer por dois.

Mito. A gestante precisa manter uma dieta equilibrada e saudável. As refeições devem ser balanceadas e bem distribuídas ao longo do dia.

 Se os desejos da grávida não forem realizados, a criança pode nascer com algum sinal.

Mito. Não há qualquer relação entre desejos e marcas no bebê.

Grávidas sentem mais calor.

Verdade. Por conta da gestação, o metabolismo fica mais acelerado, por isso as grávidas tendem a suar mais e a sentir mais calor.

Grávidas podem ficar com a pele manchada se exposta ao sol.

Verdade. Devido ao aumento da liberação da melanina na pele, a grávida tem mais tendências a ter manchas. O ideal é o uso de protetor solar no rosto e principalmente na barriga, se esta for ficar exposta ao sol.

Exercícios físicos durante a gravidez fazem mal.

Mito. Primeiramente a gestante deve passar por uma avaliação médica, se a mesma estiver livre de fatores de risco, a atividade física será liberada com moderação. Os exercícios mais indicados são os de baixo impacto como: natação, ioga e caminhada. Se os exercícios já faziam parte da rotina da mulher poderão ser mantidos, desde que acompanhados por um profissional.

Se a grávida cruzar as pernas, pode causar voltas no cordão umbilical.

Mito. O bebê se enrola no cordão umbilical durante todo o período da gestação. Os movimentos da mãe não irão interferir nesse deslocamento e muito menos colocam o feto em risco.

Ficar sem se alimentar aumenta o enjoo.

Verdade. Quando a gestante fica sem se alimentar por muito tempo, pode aumentar o enjoo e mal-estar. É importante que a gestante se alimente de maneira frequente, com refeições leves e com pouca gordura.

Beijos e até a próxima!