Cultura para Estreptococo do grupo B o que é? Qual a sua importância?

gravida-obstetra-consulta

Por Franciane Crisol

Muitas gestantes apresentam dúvidas ou nem sequer imaginam o que seja a cultura para estreptococo do grupo B, mas se falarmos em “ exame do cotonete” poderá soar mais familiar. Hoje abordaremos a importância da realização desse exame.

O reservatório natural do estreptococo do grupo B é o trato gastrointestinal, porém a bactéria pode colonizar de forma crônica, transitória ou intermitente a vagina ou o reto existindo, portanto, o risco de transmissão para o bebê durante o parto.

É muito importante esclarecer que apesar de ser encontrado habitualmente na região genital feminina o estreptococo não é uma DST (Doença Sexualmente Transmissível). A maioria das mulheres que apresentam cultura positiva para essa bactéria foram contaminadas por estreptococos que vieram do seu próprio intestino ou região retal.

O risco de apresentar uma cultura positiva está relacionado a hora do parto, pois o bebê ao passar pelo canal vaginal, pode ser contaminado pela bactéria.

 Como é realizado o exame?

A cultura para estreptococo B deve ser solicitada entre a 35º e 37º semanas de gestação, pois neste período há maior sensibilidade para identificar a colonização materna no momento do nascimento. O exame é simples, realizado com uma espécie de cotonete, daí o nome “ exame do cotonete” que coleta amostras da vagina e da região anal. A análise do laboratório vai mostrar se o resultado é positivo ou negativo. Não adianta realizar o exame antes desta época gestacional, ou mesmo tomar antibiótico antes do trabalho de parto, pois a bactéria pode recolonizar o canal vaginal.

Minha cultura veio positiva. E agora?

Mamães, não fiquem assustadas se sua cultura vier positiva! O importante é que seu médico obstetra saiba do resultado do exame e que, no momento da internação,   você comunique a equipe que irá atendê-la.

O procedimento é a administração de antibiótico via endovenosa, antes de o bebê nascer. O objetivo de dar antibiótico enquanto ocorre o trabalho de parto é realizar uma proteção para o bebê. Os antibióticos mais usados são penicilina ou ampicilina, portanto, é extremamente importante que você comunique qualquer tipo de alergia à essas substâncias, pois existem outros medicamentos disponíveis em caso de alergia.

Em caso de parto cesáreo programado, sem ruptura da bolsa e antes do início do trabalho de parto, não há necessidade da realização do antibiótico.

Qual o risco de uma infecção por estreptococo B no bebê?

O estreptococo do grupo B pode causar uma infecção neonatal que se apresenta sob duas formas: precoce e tardia, sendo a forma precoce a mais frequente (80%). A forma precoce ocorre nos primeiros sete dias de vida e pode evoluir para sepse, meningite e pneumonia.

project_1429840869191

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s